segunda-feira, 1 de julho de 2013

Não Troque o Certo Pelo Duvidoso

Com telhados de zinco
São os barracos de palafitas ou tapume
Na beira da vala
Apenas a terra batida como piso
Um fogão velho na copa
E colchões furados na sala

Entre os barrancos a enxurrada
Arrasando as madeirites pela frente
E os sonhos de um povo sofredor

Amontoando-se pelas vielas
Acochando-se em fileiras
Seguem os pobres pela favela
No lixão os detritos, os entulhos moídos
Da sociedade desmoronada
Nos reerguemos aflitos, somos nós os excluídos

Quando se arruma confusão
Não se arma barraco, arma mansão
Quando está para entrar numa “fight”
Não é nega que desce o morro, é do elevador que surge a “socialite”
Quem suja as ruas como um porquinho
Não é favelado, é riquinho
Quando se enfia os pés pelas mãos
Não é Paraíba, é patrão

Não troque o certo pelo duvidoso
O pobre trabalha, o rico é ocioso


Vinni Corrêa
25 de novembro de 2006

Candido Portinari - Favela Com Músicos

Tarsila do Amaral - Favela

Nenhum comentário:

Postar um comentário