sexta-feira, 5 de julho de 2013

Tudo o que a vista alcança

Ela repousa no frio
E vive em céus vazios
As ondas ficaram ferozes
A cerração está por vir
Música ao fundo
Despertando a sua alma
A magia em seu olhar
O substrato do poder
Privado de senso ou de razão
Um impulso que envolve
Traçar e explicar o sentimento
As fronteiras que nos afastam
Ininterruptas e expansivas
Distinções bem definidas a nos cortar

Barreiras intransponíveis
Inúmeros detalhes distintos
Que escapam a nossa idéia
Que submete a um puro desejo
Somos destinados a esquecer as nossas diferenças
Concepção da natureza e da vida
Escolhas que nos dizem respeito
À imagem que nos ocupa
Transpõe sobretudo um começo
Atribui a ela mesma isolada
Sem que exista a separação entre os opostos
Reabro o seu coração e a deixo refletir
Quebra-se a fragilidade do seu corpo
E retorna a si enfim


Vinni Corrêa
06 de outubro de 1999


René Magritte - Espelho Falso

Nenhum comentário:

Postar um comentário