terça-feira, 4 de março de 2014

Aqui É o Lugar de Dormir

O protesto indigente dos seus dedos não é suficientemente capaz de intimidar-me o estômago que não cala um instante nesta madrugada sóbria

A cama ainda feita com lençóis da última gota do nosso suor adormce nossos sonhos e mantem desperta a preocupação

A ladraria dos nossos pensamentos que não se distrai nem com o suspiro do osso

O marulho do mar talvez me encontre emergindo do fundo do meu próprio oceano talvez até o uivo do vento trouxesse da nuvem mais carregada o peso dos olhos mas onde quer que eu esteja eu já estou aqui apenas aguardando-me mas pensando em tudo que não sou eu

E por que busco-me se já me encontro deitado em minha cama?

Porque não me encontro dormindo



Vinni Corrêa
20 de novembro de 2011



 Edgar Ende - Der Unruhige Schlaf

Siegfried Zademack - Wie Die Lemminge

Nenhum comentário:

Postar um comentário