domingo, 2 de março de 2014

Compasso

Onde morrerá o sono arrebatado
de olhos tão sucessivos quanto suas picadas?
Preocupações não têm cor mas sua luz
reflete o amarelo da alma e desgoverna
o corpo com suas mil cabeças, ou uma
cabeça com mil Eus?
A noite não quer encontrar o dia,
quer encontrar respostas, conflitos, atrasos, horas.
Não há chaves para destrancar a vontade
e luz é a última coisa que se queira
encontrar no fim do túnel.
Danço meu corpo.
A escuridão é rítmo, o silêncio melodia.
Danço meu corpo.
Até que a dança me faça esquecer
E já não vejo mais a hora que chega. 


Vinni Corrêa
18 de fevereiro de 2009



Benito Mieses - Fabricando Sonhos

Nenhum comentário:

Postar um comentário