segunda-feira, 22 de junho de 2015

O Islamismo nem sempre é conservador




A ignorância dos pseudoliberais é tamanha que eles apoiam a Arábia Saudita, principal aliado muçulmano dos EUA. Contudo, é o país mais corrupto e conservador do islã.

Em pesquisa feita pela Universidade de Michigan, em 2014, 11% dos muçulmanos na Arábia Saudita queriam que as mulheres usassem burka e 63%, o niqab. No mesmo país, apenas 3% responderam que elas não deveriam usar nenhuma veste que cobrisse sua cabeça. Já na Tunísia, considerado um país opressor pelos pseudoliberais, apenas 1% respondeu que elas deveriam usar burka. Contrapondo o que é dito na mídia, 57% dos tunisianos responderam que elas deveriam usar a al-Amira (uma touca e um lenço cobrindo toda a cabeça e o pescoço, sem cobrir o rosto). 23% optaram pelo hijab, parecido com a al-Amira, porém mais fashion e mais aceito pelas mulheres em alguns países, como na Tunísia e no Irã.Ainda surpreendente, 15% responderam que elas não deveriam usar nenhuma veste que cobrisse rosto, pescoço e cabelos.

Ainda assim, os pseudoliberais acham que a Arábia Saudita, que é uma verdadeira ditatura, o país mais livre entre os muçulmanos.






Nenhum comentário:

Postar um comentário